F. Scott Fitzgerald descrevendo uma personagem em “Este lado do paraíso“:

“Sua filosofia é carpe diem para si mesma e laissez-faire para os outros.”

 

Este lado do paraíso, F. Scott Fitzgerald
(Cosac Naify, p. 203)

Anúncios

Acendo um novo cigarro.
Ela imita meu gesto.
Mesmo advertidos de que
“Fumar causa mal hálito,
perda dos dentes
e câncer de boca”,
fumamos.

O Agente – Um dos meus tios, que por sinal era padeiro, para nos proteger e nos manter afastados do poço tentava nos assustar, dizendo que ali dentro, ali no fundo, havia um monstro.
O Agente – E nós, como éramos crianças, acreditávamos.
O Agente – Um dia meu primo, que hoje é advogado, por descuido acabou caindo no fundo do poço.
A Voz – Meu Deus! E se machucou muito?
O Agente – Fisicamente, não.
O Agente – Mas, como estava apavorado e levou algum tempo para que o resgatassem, ele ficou muito desesperado.
O Agente – Por sorte e por azar, ainda havia um pouco de água no fundo do poço.
O Agente – Por sorte, isso amorteceu a sua queda.
O Agente – Mas, ao mesmo tempo, com a luz que entrava no buraco e incidia na água, ele acabou vendo seu próprio reflexo.
O Agente – Por fim, quando o içaram, eu corri e perguntei a ele: “E então, como é o monstro?”.
O Agente – E a resposta foi: “Ele é como nós. Todos somos monstros”.

O Natimorto, Lourenço Mutarelli
(Companhia das Letras, p. 26-27)

Um recomeço? Não sei.